Prof. Ricardo Fabrino Mendonça

  • Instituto Nacional de Ciência e Tecnologia em Democracia Digital (INCT.DD)

 Em virtude da intensa globalização das tecnologias empregadas em projetos de democracia digital e da disseminação mundial do interesse social, político e acadêmico na e-democracia, este INCT está planejado para se apoiar em uma muito consistente e já estabelecida rede internacional de pesquisadores renomados, que atuará, desde o começo, como força complementar à rede nacional que constitui a equipe do projeto. Teremos portanto, uma rede nacional abrangente de pesquisadores com formação e experiência comprovada na área, que será a equipe institucional do projeto, conectada de maneira intensa a uma rede internacional de pesquisadores e planejadores de projetos de e-democracia. Esta última rede atuará inicialmente como colaboradora, mas deverá, nos próximos anos, ser assimilada orgânica e institucionalmente à equipe do INCT-DD. Vale mencionar que todos os pesquisadores listados na rede internacional prestaram anuência pessoal, formal e escrita, ao proponente desta Proposta. Atente-se para o fato de que a equipe compreende recursos humanos associados a diferentes áreas do conhecimento, incluindo-se Comunicação, Ciência Política, Sociologia, Filosofia, Ciências da Informação, Administração, Computação e Engenharia Elétrica. O objetivo é contemplar a perspectiva interdisciplinar exigida por uma Proposta de tal porte, dedicada, dente outras tarefas, a compreender fenômenos conceituais e práticos e a desenvolver soluções na área de Democracia Digital. A equipe do projeto reúne praticamente todos os pesquisadores e grupos de pesquisa da área de democracia digital no Brasil, além de um grupo de pesquisa australiano e um bom número de destacados estudiosos de democracia digital mundo afora. A rede nacional é formada por pesquisadores de todas as cinco regiões brasileiras, com a participação de 19 instituições. 
Situação: Em andamento

  • Transformações do ativismo no Brasil: junho de 2013 em perspectiva comparada (2016-Atual)

Projeto de pesquisa interinstitucional aprovado pelo edital 012/2015 da CAPES (Memórias Brasileiras/Conflitos Sociais), que ambiciona compreender os sentidos e significados dos protestos ocorrentes no Brasil em 2013, de modo a contextualizá-los, empírica e teoreticamente, em um marco de transformações sociais mais amplas no país e em um contexto global de reconfiguração do ativismo e das lutas sociais. O ânimo da investigação é acrescentar à plêiade de trabalhos referentes às manifestações multitudinárias observadas no Brasil em 2013 um enfoque que possibilite o suprimento das seguintes lacunas, até aqui detectadas na produção histórica e científico-social sobre o assunto: i) a devida localização dos atores, das práticas e das gramáticas notadas nas ruas em 2013 diante de processos e transformações sociais de maior amplitude e alcance, de modo a se entender as mobilizações como componentes de conflitos sociais cuja processualidade os precede e os sucede; ii) o entendimento comparativo das distintas dinâmicas associadas aos protestos de 2013 em diferentes localidades, com o objetivo de se entender o que há de geral nas práticas ativistas do Brasil contemporâneo, assim como as demandas, formas organizativas e interações sociais específicas nas cinco localidades a serem pesquisadas, quais sejam, Rio de Janeiro, Vitória, Goiânia, Porto Alegre e Belo Horizonte e; iii) a compreensão dos repertórios, reivindicações e padrões de relação entre Estado, mídia, mercado e ativistas, para além de clivagens como ?novo? e ?velho?, com vistas ao entendimento das relações sincrônicas entre diferentes perspectivas e tradições de processamento dos conflitos sociais no contexto das manifestações de 2013.
Situação: Em andamento.
Financiador(es): Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior – Auxílio financeiro.

  • Protestos e engajamento político: discurso e identidade em manifestações contemporâneas (2013-Atual)
    O presente projeto busca compreender a natureza dos protestos massivos de 2013 no Brasil e na Turquia, investigando se, e como, a lógica da ação coletiva observada nessas manifestações altera compreensões canônicas da literatura sobre confronto político. Pretende-se, especificamente, pesquisar essas manifestações à luz: (1) do debate contemporâneo em torno das noções de conflito e consenso na teoria política (Mouffe, 2000); (2) das discussões sobre identidade e solidariedade na ação coletiva (Bennett e Segerberg, 2013); (3) da tese da ampliação do repertório discursivo das ações coletivas hodiernas (Tarrow, 2013); (4) da configuração de comunidades políticas nesse contexto (Jensen e Bang, 2013); e (5) das disputas simbólicas em torno da definição da agenda desses protestos a partir da noção de acontecimento (Mendonça 2009). O projeto envolve uma colaboração com um grupo de pesquisadores da University of Canberra (Austrália), que inclui o Professor Henrik Bang e os doutores Michael Jensen e Selen Ercan.
    Financiamento: CNPq, Fapemig e PRPq/UFMG – Bolsa
  • Desigualdades e democracia: as perspectivas da teoria política (2013 – Atual)
    Este projeto reúne uma equipe de pesquisadores, de diferentes instituições, que vêm se dedicando a discutir as posições, premissas e argumentos que organizam a análise da democracia nas principais correntes das teorias democráticas contemporâneas, aqui representadas por nove eixos: liberalismo, marxismo, elitismo, republicanismo, participacionismo, feminismo, deliberacionismo, multiculturalismo/teorias do reconhecimento e pós-estruturalismo. O objetivo principal é discutir, a partir de cada uma dessas correntes, as interrelações entre as desigualdades e a democracia. O projeto é coordenado por Flávia Biroli e Luis Felipe Miguel (UnB)
    Financiamento: CNPq

 

  • Deliberação online? Sistematização e aplicação de uma metodologia para o estudo de iniciativas digitais à luz da teoria deliberacionista (2011-2015)
    O presente propôs-se a sistematizar metodologias de análise para experiências online, que sejam guiada pelo viés deliberacionista de democracia. Mais do que um diagnóstico fechado sobre quão deliberativas são iniciativas digitais, aspirou-se a refletir, a partir de alguns casos, sobre as potencialidades e desafios que se colocam a experiências digitais, tendo em vista seu potencial na promoção de choques públicos de discursos. Os operadores empregados buscaram estabelecer diálogos entre enfoques analíticos micro e macro, os quais permanecem separados em grande parte da literatura empírica sobre deliberação.
    Financiamento: CNPq, Fapemig, PRPq (UFMG)

 

  • A apropriação do pragmatismo pela teoria crítica: em busca de uma teoria democrática crítica (2010-2014)
    De natureza teórico-conceitual, o projeto procurou investigar as relações entre a teoria crítica frankfurtiana e o pragmatismo norte-americano, com especial atenção às contribuições que tais aproximações trazem à teoria democrática. Interessava-nos refletir, mais especificamente, sobre duas guinadas do pensamento crítico: aquela promovida por Jürgen Habermas (nos anos 1970-1990) e aquela promovida por Axel Honneth (nos anos 1990-2000). Dentro dos diálogos desses autores com diferentes linhagens pragmatistas, dedicamo-nos, em especial, àqueles estabelecidos com G.H. Mead, J. Dewey e S. Hook, dada a atenção devotada por eles à teoria democrática.
    Financiamento: Fapemig, PRPq (UFMG)
Anúncios